Vereadores se unem para tentar reverter fechamento da Fafen

Você está aqui

A população de Laranjeiras e do Estado de Sergipe foram pegos de surpresa nesta terça-feira, (20), com a notícia do fechamento da unidade da Petrobras/FAFEN. Por conta disso, os vereadores da cidade histórica se reuniram para tentar tomar providências e reverter a situação, já que diversos setores serão afetados. Uma das primeiras providências é realizar uma audiência pública com os prefeitos, vereadores e a população dos municípios de Riachuelo, Santo Amaro, Rosário e Maruim, para, juntos, encontrarem uma solução que venha suspender a ordem de fechamento da fábrica de fertilizantes nitrogenados da Petrobras.

O principal motivo, alegado pela empresa, para o fechamento da fábrica em Laranjeiras é o acúmulo de prejuízos financeiros nos últimos dois anos e a perspectiva de um prejuízo de R$ 1,3 bilhão nos próximos 12 anos. A privatização também é uma alternativa que está em avaliação. Por isso, será mantida a integridade das instalações de forma a possibilitar a retomada das operações por um eventual comprador.

Na avaliação dos vereadores e da população de Laranjeiras a hibernação defendida pela estatal não é a melhor solução, já que a taxa de desemprego vai aumentar consideravelmente por conta da cadeia produtiva em torno da fábrica. “Boa parte da economia de Laranjeiras é movimentada pela Fafen, de forma direta ou indiretamente. No entorno do bairro Pedra Branca, existem diversas empresas que podem fechar as portas; são transportadoras, misturadoras, hotéis e pousadas, restaurantes, entre tantas outras. Por isso, é preciso unir forças da nossa bancada federal, de deputados e senadores, além do governador, vereadores e prefeitos, para juntos, encontrarmos uma solução”, disse o vereador Jânio Dias, vice-presidente da Câmara de Laranjeiras.

Ainda de acordo com o vereador, 250 trabalhadores efetivos e 475 terceirizados serão afetados diretamente, tendo em vista que os efetivos serão transferidos para outras unidades da empresa e os demais ficarão desempregados. O representante do legislativo municipal acrescentou também que os prejuízos acumulados pela companhia se deve aos altos custos de insumos para a produção de Ureia, Amônia, Gás Carbônico e Sulfato de Amônia e o baixo custo dos fertilizantes importados.

“Por falta de incentivo do Governo Federal e uma carga tributária muito alta, os produtos produzidos na Fafen tem um custo mais alto do que os importados, por exemplo. Para se ter uma ideia, a Fafen gasta R$ 400 milhões/ano em compra de gás natural da própria Petrobras e cerca de R$ 3 milhões/mês com as despesas na conta de água. Somente isso impacta bastante. Portanto, essa notícia é uma catástrofe para a região do Vale do Cotinguiba. O que será de Sergipe sem a Fafen?”, indagou Jânio Dias.

O vereador Adriano de Pedra Branca reiterou o discurso de Jânio Dias e ressaltou que os impactos em Laranjeiras com o fechamento da Fafen já começaram a ser debatidos e muitos empresários já barraram os investimentos. “Essa notícia caiu hoje como uma bomba e os empresários de Laranjeiras já barraram os investimentos. O clima na cidade é de muita tensão, por que vai acabar com uma cadeia produtiva que sustenta centenas de famílias há cerca de 30 anos. Laranjeiras está de luto”, frisou Adriano.

ASCOM CML.


Exportar: CSV | JSON

Câmara Municipal de Vereadores de Laranjeiras
Rua Getúlio Vargas, 24 – Centro – Laranjeiras – Sergipe
Tel.: 79 3281-1055